Barueri adere símbolo do autismo em atendimentos prioritários

Por Gilberto de Almeida 06/04/2019 - 14:05 hs

Segundo a Organização Pan-Americana da Saúde, uma a cada 160 crianças nascem com o transtorno do espectro autista (TEA) no mundo. Sabendo da importância do tema, o município de Barueri, que busca incluir a pessoa com deficiência em todas as áreas por meio da Secretaria do Direitos da Pessoa com Deficiência (SDPD), deu mais um passo e aderiu ao símbolo do autismo no atendimento prioritário. 

No mês em que é lembrado o Dia Mundial da Conscientização do Autismo (2 de abril), já foram instaladas – inicialmente em pontos de maior fluxo como Ganha Tempo, Pronto-Socorro Central e Hospital Municipal – as placas que dão prioridade no atendimento para pessoas com Transtorno do Espectro Autista (TEA). 

lei municipal 2.608, de 2 de maio de 2018, estabelecque as repartições públicas, entre outras instituições instaladas na cidade, deverão inserir na placa de divulgação do direito de atendimento prioritário o símbolo mundial do transtorno do espectro autista. 

Para o autor da lei, vereador Neto Amorim, a identificação atende uma importante solicitação de mães de pessoas com TEA. “A inclusão é uma das frentes que o município trata com grande relevância. Ouvi essa demanda de uma das mães engajadas pela causa, Marcia Bueno, mãe de um adolescente com autismo e representante do Grupo de Mães e Familiares de Especiais. Ela reivindicou ao lado da coordenadora da APAE, Eneida Grama Lima”, destacou o legislador. 

Para o secretário da pasta frente às questões da pessoa com deficiência, Carlos Roberto da Silva, a iniciativa vai ao encontro da busca da SDPD pela qualidade de vida das pessoas com deficiência de Barueri. “É muito importante que o Legislativo e o Executivo andem de mãos dadas para que a política municipal de inclusão seja de fato efetiva. Nosso foco é gerar todas as condições para dar mais autonomia garantios direitos da pessoa com deficiência de nossa cidade”, afirmou. 

Secretaria dos Direitos da Pessoa com Deficiência oferece diversas atividades que atendem, dentre outras deficiências, o transtorno do espetro autista. São oficinas esportivas culturais que trabalham sensibilização, estimulação corpórea, criatividade e interação entre as pessoas.