NOVA GREVE DE CAMINHONEIROS PODERÁ SER REALIZADA DIA 29 DE ABRIL

DECISÃO FOI TOMADA POR VÁRIOS LIDERES DO MOVIMENTO DOS CAMINHONEIROS

Por Gilberto de Almeida 19/04/2019 - 10:27 hs
Foto: DIVULGAÇÃO
NOVA GREVE DE CAMINHONEIROS PODERÁ SER REALIZADA DIA 29 DE ABRIL
PARALISAÇÃO DOS CAMINHONEIROS EM 2018

Foi divulgado ontem 18/04/19, por um dos Lideres dos Caminhoneiros Wanderlei Alves conhecido como Dedéco, que a categoria decidiu realizar uma paralisação a partir da meia noite do dia 29 de Abril.

“ foi um decisão em grupo os caminhoneiros já decidiram paralisar no dia 29 de abril, embora alguns acham que é pouco tempo e que deveríamos esperar ainda, porém a maioria concordou que dia 29 pois chegamos em um ponto que não há mais condições de trabalhar” afirmou

Segundo Dedé o movimento deve atingir o Brasil inteiro, assim como ocorreu em 2018, crescendo á medida que os dias iam se passando.

Os caminhoneiros entram em greve devido as novas altas no diesel.

A Petrobras informou na quarta-feira que decidiu aumentar o preço do diesel em R$ 0,10/litro, o que implica uma variação mínima de 4,518% e máxima de 5,147%, nos seus 35 pontos de venda no Brasil. O aumento começou a vigorar nesta quinta.

Para Alves, o dispositivo da lei do piso mínimo de transporte rodoviário de carga que associa o incremento do frete ao aumento do diesel não adianta porque a tabela de frete não está sendo cumprida.char anúncio

"Se estivessem pagando o piso mínimo, o aumento do óleo diesel não iria nos afetar. Mas não estão cumprindo", disse. A lei indica que, sempre que ocorrer oscilação no preço do óleo diesel no mercado nacional superior a 10%, para mais ou para menos, nova norma com pisos mínimos deverá ser publicada pela ANTT (Agência Nacional dos Transportes Terrestres), considerando a variação no preço do combustível.

O representante defende a melhora na fiscalização do cumprimento do piso mínimo do transporte rodoviário. Ele citou que o governo vai testar no Espírito Santo o documento de transporte eletrônico, quando poderia fazê-lo no Brasil inteiro. "Isso obrigaria embarcadores a repassar o valor correto e a transportadora pagar piso mínimo aos autônomos."

Segundo Alves, o ministro-chefe da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, interrompeu o diálogo com parte dos caminhoneiros. "Somos uma espécie de linha dura da categoria e exigimos nossos direitos. Não vemos sentido em pedir esmola para quem elegemos. Brasília foi feita para atender aos anseios da população. E é esse grupo linha dura que o governo quer isolar."

Segundo ele, o governo está optando por dialogar com grupos que não representam os reais interesses dos caminhoneiros. "Estamos aqui abertos ao diálogo e, se o governo atender à nossa expectativa, cancelamos a paralisação. Está na mão deles. Por isso demos o nome da paralisação de Onyx Lorenzoni."

A mobilização, assim como a greve do ano passado, está sendo feita por grupos de WhatsApp fechados apenas para caminhoneiros, conforme o representante. Segundo Alves, o efeito da greve na economia poderia ser evitado.

"O que eu vejo é o seguinte: o prejuízo da paralisação da economia é o valor que o governo poderia desembolsar para "O que eu vejo é o seguinte: o prejuízo da paralisação da economia é o valor que o governo poderia desembolsar para oferecer subsídio no diesel até que o piso mínimo do frete funcionasse para valer." Alves reforçou ainda que a categoria espera uma resposta do governo. "Bolsonaro falou com os índios, será que vai conversar com a gente?"

Fonte: Portal R7.com